Entrevistas

16/06/2018

"Ainda precisamos dar o grande salto na política de Direitos Humanos"

Aos 74 anos, o ex-ministro da Justiça e ex-embaixador do Brasil em Portugal, José Gregori, tenta adaptar-se a uma pacata rotina de vida. Não é muito fácil para quem nos últimos 30 anos nunca teve horário para nada, a não ser trabalhar.

Atividades comuns para a maioria dos mortais, como ir buscar a neta à escola de vez em quando, participar das festinhas de aniversário dos netos, planejar a ida a um concerto e conseguir assistir a programas de televisão, eram, poucos meses atrás, impensáveis para ele, que confessa: "Hoje eu estou como um sujeito que ganhou na loteria depois de uma pobreza absoluta e não sabe o que fazer com o dinheiro. Eu também não sei bem o que fazer com o meu tempo".

A vida calma, no entanto, está ameaçada. Preocupado com a criminalidade e a segurança pública, Gregori está organizando um simpósio nacional para discutir causas e apontar soluções para a violência e a desigualdade no Brasil.

"Andei conversando com alguns jovens que despontam como futuros líderes na sociedade civil, conversei também com um desembargador e uma professora universitária e resolvemos realizar um evento em que discutiremos em profundidade o problema da violência no Brasil", revela.

O objetivo da empreitada é – além de identificar e analisar as principais causas da criminalidade e da violência nas áreas econômica, social e cultural, e nas áreas da segurança e da justiça – apontar um conjunto de prioridades e ações emergenciais de curto, médio e longo prazos, que possam ser efetivamente implementadas pelos governantes e pela sociedade para prevenção do crime e da violência, e para a resolução dos problemas de segurança pública no país.



Jornal do Advogado-OAB/SP, N.284, junho 2004, pp. 19-21.

Autor(es)

José Gregori