Entrevistas

16/06/2018

"É preciso prudência e ousadia para mudar o Brasil"

Como você avalia esse seu primeiro ano como deputado federal? Como é o cotidiano da Câmara dos Deputados, os trabalhos, os desafios?

É uma experiência nova. O fato de eu ter sido vereador e prefeito, de ter minha formação como advogado, os estudos que fiz agora mais recentemente, de especialização em poder Legislativo, mestrado na área de Direito Processual, Constitucional, os estudos de doutorado, tudo isso contribui e dá um suporte tanto intelectual quanto em termos de procedimento. Mas não é suficiente. É preciso conhecer-se a experiência por dentro. A Câmara é um espaço muito próprio. São 513 deputados de todos os Estados, e todos os segmentos da sociedade brasileira estão ali representados. Há pessoas com todos os comportamentos, ideologias, estilos de vida, religiões. E também muitos espaços já acertados. Aí a gente constata, na prática, o fato de que o poder Legislativo no Brasil é muito dependente do Executivo. Não desse Executivo particularmente, do governo Lula. O Executivo tem a iniciativa dos principais projetos de lei, tem o espaço das medidas provisórias e, com a nossa tradição presidencialista, o Executivo ainda tem a chave do cofre. Então tem o poder enorme, por outras vias, de nomeações, acertos políticos. Tudo isso dá ao Executivo um poder grande.


Jornal Opinião, nº 759, 15-21/11/03, pp. 4-6, entrevistado por Graziela Cruz

Autor(es)

Dep. Federal Patrus Ananias
Ex-prefeito de Belo Horizonte e deputado federal mais votado no Estado de Minas Gerais, Patrus Ananias diz ter na Doutrina Social da Igreja a principal inspiração para sua atuação política. Nesta entrevista Patrus faz uma avaliação do primeiro ano do governo Lula, comenta as críticas feitas ao governo federal por pastorais e organismos sociais da Igreja Católica do Brasil e fala de sua experiência na plural e complexa Câmara dos Deputados. O deputado conta, ainda, que junto a outros parlamentares católicos, participa de um grupo que se reúne periodicamente na sede da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil. “Buscamos pensar uma ação mais reflexiva envolvendo os parlamentares católicos e também aqueles que não são católicos, mas têm uma relação mais forte com a Igreja.” Otimista, mas prudente, ele acredita que o governo Lula está apenas nos primeiros 22 minutos do jogo e que ainda há tempo para dar uma virada histórica nos rumos do Brasil.